segunda-feira, 18 de abril de 2011

Efeito Catraca, o que é afinal?

Michael Tomasselo

Artefatos, objetos ou até mesmo convenções culturais, como a língua e os rituais religiosos, acumulam modificações ocasionadas por diferentes indivíduos no transcurso do tempo, a esse fenômeno denominamos “efeito catraca”. Assim explica o psicólogo Michael Tomasselo (1950), ao dizer que “os seres humanos costumam dispor de capacidades de aprendizagem sociocognitiva e cultural para criar, enquanto espécie, produtos cognitivos únicos baseados na evolução cultural cumulativa”. (TOMASSELO, Michael. Origens culturais da aquisição do conhecimento, p.54)

Para que o “efeito catraca” ou “evolução cultural cumulativa” ocorra é necessário que processos de invenção e imitação (com ou sem instrução ativa) se complexifiquem dialeticamente ao longo do tempo.  Esses processos antecedem o que chamamos de efeito catraca. A invenção criativa se apóia na transmissão social confiável, sem essa, não será possível estabelecer a permanência e a evolução de um determinado objeto. É nesse ponto que os humanos distinguem-se das muitas espécies de animais, pois o componente estabilizador da catraca [cultural] é inerente exclusivamente aos humanos, e nesse caso, não é a invenção criativa e sim os processo cognitivos de aprendizagem que podem ocorrer por imitação, por instrução ou por colaboração.

“E esses processos de aprendizagem cultural são particularmente poderosos porque se baseiam na adaptação cognitiva exclusivamente humana para compreender os outros como seres intencionais iguais a si mesmo, que criam formas de aprendizagem social que agem como uma catraca, preservando fielmente estratégias recém-inovadoras no grupo social até que haja outra inovação para substituí-las”. (Idem, p.55)

Um comentário:

Lila disse...

RESUMINHO BEM PROVIDENCIAL PARA AUXILIAR NOSSOS ESTUDOS!!! VALEU, ISA!!! bjo, Lila